Cultura

Foco, inovação e qualificação: as lições que o Cloter trouxe do Vale do Silício para o nosso trabalho

21/02/20 por vpratte

Convidamos o Cloter, vencedor do programa #EuNoVale, para nos contar tudo sobre a sua viagem ao Vale do Silício e como o mindset desse lugar é essencial para construir o futuro do mundo corporativo

Segundo o próprio Cloter, é muito difícil descrever a experiência do Vale do Silício, uma vez que só quem a vive pode entender o impacto que esse local provoca na nossa maneira de pensar. Mesmo assim, nós o convidamos para contar tudo sobre essa viagem e como o mindset que adquiriu na Capital Mundial da Inovação vai impactar o seu trabalho aqui na Viceri. Confira!

1.Fale um pouco de você e o seu trabalho aqui na Viceri.

Trabalho há 4 anos na Viceri, entrei em 2016 como desenvolvedor pleno, participei de alguns projetos de grande importância, como o da seguradora Mapfre, e hoje sou engenheiro de software.

Atualmente, trabalho no projeto Bellamaterna, que tem a Viceri como seu braço tecnológico. Minha atuação é como líder técnico, focada nas questões de planejamento, capacitação da equipe e gestão das demandas do projeto.

Voltado para a área da saúde, o Bellamaterna faz o acolhimentos das gestantes e mães com filhos até 3 anos, conectando-as com profissionais graduados e pós-graduados em maternidade. Atualmente, ele está focado em B2B, modelo em que planos de saúde disponibilizam o acesso ao aplicativo a suas pacientes.

Na prática, é parecido com whatsapp, a mãe pode conversar e enviar arquivos diretamente aos profissionais da área de nutrição, obstetras, doulas e muitos outros disponíveis para atendê-la e orientá-la. No futuro, a ideia é utilizar os dados que estão sendo coletados para implementar Inteligência Artificial e criar sistemas para agendamento de consultas, controle de horários de remédios e outras funcionalidades.

Como temos uma coleta de dados recorrente, o sistema conseguirá ter proatividade para direcionar o atendimento nos momentos certos, sinalizando quando é hora de dar remédios, comprar fraldas ou marcar uma nova consulta. Além disso, imaginamos que, daqui um tempo, o médico possa conseguir agendar atendimentos presenciais, como se fosse um Uber conectando esses profissionais às mães.

Com relação ao meu futuro, tenho planos de começar um MBA esse ano, voltado para a área de arquitetura de software. Além disso, pretendo obter algumas certificações neste ano, tais como a de Arquiteto de Soluções da AWS Certification, que é uma das partners aqui da Viceri e também a Java Certified Professional, emitida pela Oracle.

2. Como foi a sensação de ser contemplado no programa #EuNoVale?

Foi surpreendente. O anúncio ocorreu no lançamento da nova marca e eu realmente não estava esperando ser contemplado. Alguns gestores já vinham comentando que esse evento teria algumas surpresas, então existia um hype muito grande dentro da empresa.

Eu até fui um dos primeiros a comentar que o Marcel, nosso CEO, ia revelar que levaria alguém para o Vale do Silício. Mas quando anunciaram meu nome, o impacto foi chocante. Eu nunca tinha viajado para fora do país e começar logo visitando a Capital Mundial da Inovação e Tecnologia foi muito gratificante.

3. Quais aspectos culturais do Vale do Silício lhe causaram mais impacto e por que?

Quando falamos em Transformação Digital e criação de novos processos, é importante que as pessoas se coloquem como donos dos seus projetos e donos das suas empresas. Isso é muito forte no Vale. Mesmo quem trabalha como colaborador de outras instituições tem esse mindset. Eles tomam conta de todo o trabalho que tem que ser executado, sempre prezando pela entrega e pela excelência.

A postura deles é muito diferente. São pessoas muito objetivas. Em várias atividades que participei, estavam presentes americanos, alemães, e outras pessoas de diferentes culturas, mas que possuem em comum o objetivo de buscar a inovação, a excelência e a qualidade de entrega. O Vale do Silício proporciona essa cultura para essas pessoas.

A diversidade é muito presente. Quase metade da população do Vale do Silício não é americana. Como o local concentra as sedes de algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo, dezenas de startups e alguns unicórnios, muita gente migra para trabalhar nesses lugares.

A questão educacional também é muito forte, já que lá estão algumas das maiores universidades dos Estados Unidos, como Stanford e Berkeley. Tudo isso colabora muito para a construção dessa cultura.

4. Fale um pouco sobre as atividades de aprendizado que você passou e como foi essa experiência.

Participei da Learning Experiência, desenvolvida pela Startse. O conteúdo foi muito rico. Falamos sobre a cultura, história do Vale, as primeiras empresas que se estabeleceram aqui, como a HP e a Intel e muito mais. Conheci inclusive a origem do termo Vale do Silício, que é uma referência ao fato de que lá se consegue essa matéria prima a um custo muito baixo, o que provocou um boom da exploração industrial no local.

Um dos palestrantes, da Netflix, revelou que eles buscam o tempo todo a diversidade de pensamento, incluindo pessoas com múltiplos pontos de vista na empresa. Quanto maior é essa diferença em um ambiente, mais ideias novas surgem.

Um representante da HP detalhou como ocorreu a Transformação Digital da empresa. Ele explicou como essa mudança foi possível depois de muitas tentativas, já que é muito mais difícil aplicar essa transformação em uma companhia enorme do que em uma startup, por exemplo.

Muitas atividades eram focadas em inovação. Também participei de inúmeros workshops com startups dos ramos alimentício, biotecnologia, transporte e comunicação e que trabalham com projetos para causar alto impacto daqui uns 10 anos.

Conheci mais sobre os carros autônomos e a grande corrida das empresas que está acontecendo lá para desenvolver e disponibilizar essa tecnologia. O Google é o principal investidor atualmente.

inclusive, durante um dos trajetos que fiz de ônibus, tinha um carro autônomo da Google se deslocando sem motorista ao meu lado. O impacto foi muito forte. Há tecnologias que talvez só chegarão no Brasil em 15 anos ou até mais e que já estão sendo utilizadas no Vale do Silício. Isso é muito chocante.

5. Como o mindset do Vale do Silício impacta o seu trabalho e o trabalho da Viceri?

O principal foi entender as diferenças de pensamento. Aqui, a maior parte do nosso trabalho é realizada com ferramentas que já existem. No Vale, o mindset é sempre focado em desenvolver novas ferramentas para entregar esses resultados com mais eficiência e agilidade.

Antes, toda a minha evolução era pensada para o presente. O pensamento era “Preciso aprender mais sobre isso para resolver essa questão que me preocupa hoje.” Mas a experiência me trouxe outra visão e hoje estou me preparando para do futuro.

Agora, não consigo mais ficar procrastinando com qualquer coisa. Me sinto incomodado em perder tempo com coisas que eu não deveria, como processos que já deveriam ter sido abandonados. Me tornei alguém que busca ser o mais objetivo possível com minhas tarefas. Mudei também a maneira como me relaciono com o time.

Além disso, eu trouxe dois ensinamentos básicos: buscar mais foco e buscar mais qualificação, visando otimizar ao máximo o meu tempo e obter cada vez mais conhecimento.

A minha estratégia agora é começar com impactos menores na Viceri e aí seguir escalando essa cultura do Vale para a empresa inteira. Fazer esses ensinamentos criarem resultados na minha equipe e nos meus projetos. A partir daí, posso demonstrar esses resultados para auxiliar nas outras demandas.

Muito mais do que apenas falar dessa experiência, penso em construir esse resultado concreto e demonstrar o impacto prático para as pessoas de outros projetos, para que elas possam adotar esse pensamento no seu trabalho.

6. Como você vê papel do Vale e desse pensamento para a transformação através da tecnologia que vivemos hoje?

A maior colaboração do Vale é o mindset das pessoas. Esse aprendizado é o melhor que se pode tirar da experiência de visitá-lo. Claro, lá também existem pessoas que se movimentam apenas pelo dinheiro, mas muitas trabalham por um objetivo de vida.

Assim, elas buscam sempre ajudar a sociedade com soluções novas, e o dinheiro é apenas uma consequência. Além disso, a inovação deve estar no core das empresas e das pessoas. O mindset ensina que cada processo precisa ser mudado a cada 3 meses.

Essa inovação, aliada a busca por ajudar a sociedade de alguma maneira, é a chave para o sucesso. Mesmo quem está no topo está pensando em inovar sempre. Sem essas mudanças, as empresas não sobrevivem.

Além disso, a infraestrutura lá é muito melhor. O Governo ajuda muito a empreender, valorizando quem tem alguma ideia em benefício da sociedade. Enquanto aqui demoramos vários dias para abrir uma empresa, lá o processo pode acontecer em questão de horas.

Peguei dias de clima muito fechado lá, com chuva, vento e frio. Nesse sentido, o clima aqui é bem mais agradável. No Brasil, a gente tem essa vantagem em relação ao Vale do Silício, mas perde em todos os outros quesitos.

Em resumo: para construir o futuro, precisamos de mais colaboração, mais resiliência, mais inovação e mais adaptabilidade. Isso é 80% do caminho, o resto é trabalho.

Tags: Transformação Digital Vale do Silício